Voyagers

As Voyagers são duas sondas “gêmeas”. A Voyager 2 foi lançada em 20 de agosto de 1977 e a Voyager 1 em 5 de setembro de 1977, as duas a bordo do foguete Titan-Centaur.

Voyager Rocket Launch

A trajetória das duas Voyagers foram calculadas para tirar vantagem de um alinhamento planetário. Na missão foi usado a assistência gravitacional que é a utilização da gravidade de um planeta ou outro corpo celeste para mudar a trajetória e velocidade de um objeto.

O que descobrimos sobre planetas?

A Voyager 1 chegou em Júpiter em janeiro de 1979 e a Voyager 2 em abril.

Agora entendemos que os processos físicos, geológicos e atmosféricos importantes continuam no planeta, nos satélites e no campo magnético.

A Voyager 1 chegou em Saturno em novembro de 1980 e a Voyager 2 em agosto de 1981.

A atmosfera é quase inteiramente feita de hidrogênio e hélio. Foi medido ventos de 1800 Km/h.

A Voyager 2 chegou em Urano em janeiro de 1986.

As câmeras detectaram 11 luas anteriormente invisíveis. A sonda também encontrou um campo magnético em Urano.

A Voyager 2 chegou em Netuno em junho de 1989.

Foi descoberto anéis em Netuno e 6 novas luas.

Essa imagem é a primeira foto do sistema solar, chamada “Pálido Ponto Azul”. A Voyager 1 tirou essa foto a uma distância de mais ou menos 6.437.376.000 quilômetros da Terra.

Em agosto de 2012, a Voyager 1 ultrapassou a heliopausa e se tornou a primeira sonda interestelar a estudar suas propriedades, mas só foi confirmado em abril de 2013 (heliopausa é uma lugar ao redor do sistema solar onde o vento solar é parado pelo meio interestelar, pois a pressão feita pelo vento solar não é forte o suficiente para repelir o vento interestelar).

A pedido do Carl Sagan, a NASA colocou uma mensagem a bordo da Voyager 1 e 2, uma mensagem na garrafa atirada ao oceano cósmico, para contar uma história do nosso mundo para extraterrestres. A mensagem é um disco de cobre banhado a ouro contendo sons como vento, trovões, pássaros, baleias, até músicas de diferentes culturas e eras, tem saudações orais de pessoas em cinquenta e cinco línguas, junto com 115 imagens selecionadas para retratar a diversidade da vida e cultura.

“Destinadas a vagar inertes entre as estrelas, elas resistirão mais tempo que a própria Terra, uma lembrança perene de uma espécie que se recusa a ser esquecida em um universo em constante transformação.”

-Mensageiro Sideral

Para ver o que tem no disco de ouro: https://voyager.jpl.nasa.gov/golden-record/whats-on-the-record/

Instrumentos

Subsistema de Raios Cósmicos: detecta partículas muito energéticas. Partículas muito energéticas podem ser encontradas nos intensos campos de radiação que cercam alguns planetas, como Júpiter.

Antena: transmite dados para a Terra em duas frequências. Uma com cerca de 8,4 gigahertz, é o canal de banda X e contém dados de ciência e engenharia. Para comparação, a frequência de rádio FM é em cerca de 100 megahertz. A outra frequência, cerca de 2,3 gigahertz, está na banda S, e contém apenas dados de engenharia sobre a saúde e o estado da nave.

Subsistema de Ciência da Imagem: uma câmera capaz de tirar fotos e filmar.

Espectrômetro e radiômetro de interferômetro infravermelho (IRIS): São 3 instrumentos separados. Primeiro, é um termômetro muito sofisticado. Ele pode determinar a distribuição da energia térmica que um organismo está emitindo, permitindo aos cientistas determinar a temperatura desse corpo ou substância. Segundo, é um dispositivo que pode determinar quando certos tipos de elementos ou compostos estão presentes em uma atmosfera ou em uma superfície. Terceiro, ele usa um radiômetro separado para medir a quantidade total de luz solar refletida por um corpo nas frequências ultravioleta, visível e infravermelha.

LECP: consegue medir um espectro muito grande de energia de partículas.

Magnetômetro: seu principal trabalho é medir as mudanças no campo magnético do Sol com distância e tempo, para determinar se cada um dos planetas externos tem um campo magnético, e como as luas e os anéis dos planetas externos interagem com esses campos magnéticos.

Alvo de Calibração Óptica: identifica a cor e o brilho, sendo apontado para os outros equipamentos para que estes apontem ao alvo a ser calibrado.

Subsistema de Fotopolarimetria: um telescópio de 20 centímetros, com muitos filtros e analisador de polaridade. Ele cobre 8 comprimentos de onda.

Planetário Rádio Astrônomo (PRA) e Subsistema de Onda de Plasma(PWS): dois experimentos separados, duas antenas longas em forma de V.

Ciência do plasma (PLS): procura as partículas de baixa energia no plasma. Também tem a capacidade de procurar partículas movendo-se a velocidades particulares e, em menor extensão, determinar a direção de onde elas vieram.

Geradores Termoelétricos de Radioisótopos (RTG): são 3 geradores termoelétricos de radioisótopos usando plutônio-238 (libera calor através de materiais radioativos, gerando eletricidade para sonda).

Espectrômetro Ultravioleta (UVS): Ele determina quando certos átomos estão presentes, ou quando certos processos físicos estão acontecendo. O instrumento procura cores específicas da luz ultravioleta que certos elementos e compostos são conhecidos por emitir.

Voyager Spacecraft

Fontes:

https://voyager.jpl.nasa.gov/mission/spacecraft/instruments/

https://voyager.jpl.nasa.gov/galleries/images-voyager-took/

https://voyager.jpl.nasa.gov/golden-record/

https://voyager.jpl.nasa.gov/frequently-asked-questions/fast-facts/

https://www.youtube.com/watch?v=KOuxhjLTsdo&t=580s

https://www.youtube.com/watch?v=tbA3BNaionI&t=1166s

https://www.youtube.com/watch?v=IAVHhZqQxVg&t=154s

 

Anúncios

Como funciona a ciência?

A ciência está em todas as coisas que usamos. É graças a ela que nós temos todos os objetos tecnológicos, remédios e vivemos em uma sociedade moderna, mas nem todas as pessoas sabem como ela funciona. “Vivemos em uma sociedade dependente da ciência e da tecnologia, mas que não sabe quase nada disso” Carl Sagan.

Obs: os procedimentos podem variar de uma área da ciência para outra, como na astronomia, que para provar a existência de um planeta ele precisa ser observado.

  1. Faça uma pergunta.
  2. Crie uma hipótese (pegar muitas informações sobre o assunto).
  3. Para provar sua hipótese, faça uma experiência controlada para que fatores externos não influenciem os resultados (a experiência precisa ser capaz de ser feita por qualquer outro cientista).
  4. Repita várias vezes a mesma experiência para ter certeza de que aquele resultado está totalmente correto.
  5. Pegue os dados da experiência e faça a análise. Ela pode provar sua hipótese ou não. Caso não prove, ela precisa ser mudada para se encaixar nos resultados dos experimentos.
  6. Você precisa publicar um trabalho científico. Esse trabalho deve descrever exatamente a hipótese, os dados do experimento e, além disso, mostrar como isso prova ou não suas ideias (seu artigo passa por uma revisão por outros cientistas da mesma área que a sua, isso é chamado de Revisão por Pares, antes de ser publicado, se for uma revista científica séria).

Com o tempo, novas descobertas na área vão mudando, pois nada na ciência está finalizado. Tudo que se sabe está em constante mudança, pois novos estudos podem mudar antigas teorias, melhorá-las ou mesmo desmenti-las completamente. A ciência está sempre evoluindo e melhorando, e a verdade de hoje pode virar mentira amanhã. Somente as teorias e leis mais bem fundamentadas se mantém em pé por séculos.

De: Minilua

Aquecimento Global

Aquecimento global é o aumento da temperatura média da Terra, causado pelos gases que aumentam o efeito estufa. O aumento da temperatura vem ocorrendo desde meados do século XIX e deverá continuar enquanto as emissões continuarem elevadas. Os principais gases produtores do efeito estufa são o vapor d’água (H2O), gás carbônico (CO2), metano (CH4) e o óxido nitroso (N2O).

O que é o Efeito Estufa?

É um mecanismo natural da Terra para manter a temperatura do planeta, sem ela a temperatura do planeta seria muito fria, mas com gás carbônico, vapor d’água, metano e óxido nitroso demais, esquenta muito.

O desmatamento também colabora para este processo, que teria o papel de controlar a umidade.

Além disso, poluição das águas também é um fator relacionado com o aquecimento global. No caso dos oceanos, existem seres vivos responsáveis pela absorção de gás carbônico e emissão de oxigênio: os fitoplânctons e as algas marinhas. Portanto, a destruição de seus habitat também pode interferir diretamente na dinâmica atmosférica global.

O principal órgão responsável pela dos estudos relacionados com o aquecimento global é o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC ou Intergovernmental Panel on Climate Change).

Para o IPCC, o problema em questão não deve sequer ser motivo de discussão em termos de sua existência ou não, pois, segundo ele, é mais do que comprovada a série de mudanças climáticas ocorridas nos últimos tempos e a participação do ser humano nesse processo.

Diz Brasil ESCOLA

As mudanças causadas pelo aquecimento global nos sistemas biológicos, químicos e físicos do planeta são muitas, algumas são de longa duração e outras são irreversíveis, e já estão provocando uma grande redistribuição geográfica da biodiversidade, diminuindo número de espécies, modificando e destruindo ecossistemas, e gerando por consequência problemas sérios para a produção de alimentos, o suprimento de água e a produção de bens diversos que dependem da estabilidade do clima.

Em 1979 foi descoberto que a concentração de ozônio estava se tornando rarefeita sobre a Antártida. Em 1983, pesquisadores encontraram um buraco na camada de ozônio, e que a principal causa era a reação química do gás CFC (clorofluorocarboneto ou clorofluorcarbono) com o ozônio.

Em 1987 vários países assinaram um acordo de redução do uso do CFC, usado como fluido de refrigeração, como solvente, nas embalagens de aerossóis e nas espumas plásticas, acordo que ficou conhecido como “Protocolo de Montreal”. Um relatório publicado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM) e pelo programa do meio ambiente das Nações Unidas, a camada de ozônio deve se recuperar até o ano 2050, se os países poluidores respeitarem o Protocolo de Montreal.

A ONU e diversos países organizaram conferências para discutir e encaminhar medidas, para trabalhar na diminuição da emissão de gases por parte das nações. O Protocolo de Quioto (Kyoto) foi firmado com essa finalidade na Convenção da ONU sobre Mudanças Climáticas de 1997. Esse acordo gerou tensões porque alguns países, como os Estados Unidos, não aceitaram bem a meta de redução dizendo que isso diminuir sua economia.

Em 2007 ocorreu a Conferência de Bali, no qual foi criado um plano que substituiu o Protocolo de Quioto em 2012.

Em 2009 aconteceu o grande encontro climático de Copenhague. A conferência não atende às expectativas, mas termina em um acordo político negociado que envolve pela primeira vez China e Estados Unidos.

O texto estabelece como objetivo limitar a temperatura do planeta em 2º graus com relação à era pré-industrial, mas falta clareza quanto aos meios de realizar isto. Ele também prevê uma ajuda de 100 bilhões de dólares ao ano até 2020 para apoiar as políticas climáticas dos países mais pobres.

Em 2015 ouve o Acordo de París, com a ideia de reforçar a capacidade dos países para lidar com os impactos do aquecimento global. Clique aqui para saber mais.


Fontes:
https://www.nytimes.com/2017/01/18/science/earth-highest-temperature-record.html
https://www.climate.gov/news-features/event-tracker/not-so-rainy-season-drought-southern-africa-january-2016
https://www.washingtonpost.com/news/energy-environment/wp/2016/09/29/warm-oceans-caused-last-years-toxic-blob-and-more-algae-blooms-may-be-in-store/?utm_term=.f3b5769b2e14
https://www.nytimes.com/2015/11/03/science/global-warming-pacific-ocean-el-nino-blob.html?mtrref=www.nytimes.com
https://www.nytimes.com/2017/12/14/climate/climate-extreme-weather-attribution.html

Hatsune Miku

Hatsune ->sobrenome Miku ->nome foi originalmente criada para vender um software (programa) chamado Vocaloid – já existiam seis outros vocaloids na época -. Ele serve para criar “vozes”, assim como existem softwares com sons de guitarras, baterias e pianos, Vocaloid serve para ter sons de vozes humanas, ou seja, ele canta (é necessário que a pessoa digite letras e melodias).
Foi criado na Universidade Pompeu Fabra na Espanha e a Yamaha Corporation se interessou pelos resultados, bancando o investimento e desenvolvendo um produto comercial. Os primeiros Vocaloids, Leon e Lola, foram lançados pelo estúdio Zero-G em 2004.

Então, em 31 de agosto de 2007 a Crypton Future Media lançou Hatsune Miku (de acordo com a empresa, o nome escolhido significa”a voz do futuro”), que utiliza as tecnologia de canto Vocaloid 2, 3 e 4 da Yamaha Corporation. Sua voz é sintetizada da dubladora japonesa Saki Fujita e o desenho foi feito por Kei Garou.

 

Para ajudar na produção 3D, o programa MikuMikuDance ou MMD foi desenvolvido como um programa independente por Yu Higuchi para ajudar os produtores de Vocaloid, que precisavam de vídeos para mostrar suas músicas no NicoNico (YouTube do Japão). As expressões faciais dos personagens podem ser alterados e som pode ser colocado para criar um videoclipe (todo o conteúdo é distribuído gratuitamente pelos usuários e o software vem com modelos dos Vocaloids da Crypton).

Em 2009 foi lançado o jogo Project Diva, desenvolvido pela Sega e no início ficou só no Japão. Você deve apertar os botões de acordo com que aparecem na tela para dar ritmo à música e assim o personagem pode cantar e dançar. O mais interessante é que as notas podem aparecer em qualquer lugar na tela. Sendo assim, você precisa ter muita atenção durante as partidas. Com vários níveis de dificuldade (conforme ele aumenta aparecem mais botões para apertar), com várias roupas, personagens, objetos para mudar a casa deles para liberar.

Nos shows (concertos) ela já foi apresentada de várias formas diferentes. A menina pula, canta, interage com a plateia e se comporta como uma cantora normal, enquanto uma banda (de carne e osso) faz o som por trás.


Sobre o fato de Hatsune Miku não ser humana, é algo totalmente irrelevante, afinal quantos artistas reais que conhecemos não utilizam programas de computador para melhorar a sua voz?

Você sabia que o físico teórico e cosmólogo Stephen Hawking fala com uma voz sintetizada? É como se fosse a versão 1.0 do Vocaloid.

Ao longo do tempo as máquinas foram substituindo os humanos: as pernas pelo carro, a força dos braços e das pernas pela força hidráulica e o cérebro pelo computador. Qual a diferença de mudar a voz humana por um Vocaloid?

A Hatsune Miku não se envolve com drogas, nem acidentes de carro, nunca será flagrada por paparazzi e nunca vai perder sua voz.

A imagem de Hatsune Miku pode ter sido feita pela Crypton, mas sua personalidade e tudo que ela representa foi feita pelos fãs, além disso, o visual de Hatsune é escolhido por meio de votações entre os fãs nas redes sociais.

Os primeiros mangás e animes

A origem dos mangás data de muitos séculos, por volta de 1100, quando era comum usar gravuras para retratar situações humorísticas. Esse período, que alguns estudiosos classificam como “pré-mangá”, trazia caricaturas politicas e sociais da época.

O formato mangá começa a surgir com as gravuras ukiyo-e, no século 17, que já continham elementos como falas e pensamentos. O termo surgiu em 1814, inventado por Katsushika Hokusai, e se referia a um tipo de desenho mais solto, caricaturizado. Mas o mangá como é conhecido teve suas características introduzidas por Osamu Tezuka.

Já o primeiro anime é de 1907. Trata-se de um desenho de apenas três segundos, bem rudimentar, de um garoto escrevendo em uma lousa. Outros trabalhos posteriores podem ser considerados históricos, como Namakura Gatana, um curta-metragem de comédia de dois minutos de duração produzido em 1917.

No entanto, a julgar pelo conceito moderno de anime, o primeiro foi Hakujaden, de 1958, baseado numa lenda chinesa de uma serpente branca. Já a primeira série para televisão foi Otogi Manga Calendar, em 1961, que apresentava curiosidades históricas em três minutos.

Por fim, coube a Astro Boy, de Osama Tezuka, a honra de ser o primeiro anime em formato seriado, que se tornou tão comum não só no Japão, mas no mundo inteiro.

Fonte: Mundo Estranho