Celacanto


No final da década de 1930, Margorie Courtenay-Latimer, de 32 anos, era curadora de um pequeno museu na cidade portuária de East London, que celacantoficava na África do Sul. O capitão de um barco de pesca, Handrick Gossen, a chamava sempre que voltava para terra com algum peixe fora do normal, ou interessante. No dia 23 de dezembro de 1938, resolveu dar uma volta no pelo cais e notou no barco de Gossen uma barbatana azul, tirou os outros peixes do caminho e deparou com o que ela mesma descreveu: "Com o peixe mais bonito que eu jamais tinha visto". Tinha um pouco mais de1,5 m. Afora o colorido único, às barbatanas não estavam ligadas ao esqueleto, mas a lobos carnudos do lado do corpo, como se fossem capazes de sustentar o peixe e permitir que rastejasse.