Notícia 2: DARKNESS

Em algum lugar na vastidão do universo, outro planeta habitável provavelmente existe. E pode não ser tão longe – astronomicamente falando – do nosso próprio sistema solar.

Distinguir a luz desse planeta e da sua estrela pode ser problemático, mas uma equipe internaciona desenvolveu um novo instrumento para detectar planetas em torno das estrelas mais próximas. É a maior e mais avançada câmera supercondutora do mundo. Eles criaram um dispositivo chamado DARKNESS (DARK-speckle Near-infrared Energy-resolved Superconducting Spectrophotometer).

Financiado pela National Science Foundation, DARKNESS é uma tentativa de superar algumas das barreiras técnicas para a detecção de planetas. Pode levar o equivalente a milhares de frames por segundo sem qualquer ruído ou uma corrente escura, os principais problemas enfrentados hoje pelos instrumentos. Ela também tem a capacidade de determinar o comprimento de onda e o tempo de chegada de cada fóton, o domínio do tempo é importante para distinguir um planeta de uma luz refratada ou espalhada, os chamados speckles.

Os desenvolvedores falaram que a DARKNESS será capaz de observar diretamente um planeta que seja 100 milhões de vezes mais apagado que a sua estrela.

Ela foi desenvolvida para ser usada no telescópio de 200 polegadas Hale no Observatório Palomar na Califórnia, ela age tanto como uma câmera científica como um sensor focal para a frente de onda. Nesse segundo caso a câmera mede a luz, envia o sinal de volta, para formar uma nova imagem, o processo limpa a distorção atmosférica, suprimi o brilho da estrela e é possível ter um contraste maior entre a estrela e o planeta.

Durante o ano de 2017 ela foi usada 4 vezes para solucionar problemas. Os pesquisadores retornarão em maio para obter mais dados sobre determinados planetas e demonstrar seu progresso na melhoria da taxa de contraste.

Fonte: http://www.news.ucsb.edu/2018/018769/hello-darkness
Artigo: https://arxiv.org/pdf/1803.10420.pdf

Anúncios

Notícia: Novo administrador da NASA

Essa semana o senado norte-americano decidiu de maneira apertada (50 a 49) o novo administrador da NASA: Jim Bridenstine, ele é o 13º  administrador da agência espacial.


Como seria de se esperar, o Bridenstine apoia a política espacial do presidente Trump, que apoia o fim da Estação Espacial Internacional em 2025 e incentiva o desenvolvimento de atividades mais comerciais na órbita terrestre baixa, liberando a NASA para buscar um retorno à lua e missões pilotadas a Marte.

Ele está sendo muito criticado, pois ele não é técnico, na verdade é a primeira vez na história que a NASA terá como administrador um político, e a sua falta de experiência espacial e a falta de uma formação técnica fez com que os democratas começassem uma grande corrente de crítica.

Fonte: https://spaceflightnow.com/2018/04/19/bridenstine-narrowly-confirmed-in-senate-to-become-next-nasa-chief/

Moondive

É uma das piscinas mais profundas da Europa, mas há três anos vem ajudando nos preparativos para o retorno do humano à Lua. A Instalação de Flutuação Neutra da ESA no Centro Europeu de Astronautas tem sido o local do estudo “Moondive”, usando trajes espaciais especialmente para simular a gravidade lunar.

Fonte: http://www.esa.int/Our_Activities/Space_Engineering_Technology/Walking_on_the_Moon_underwater

Hipótese, teoria, lei e postulado

Hipótese: suposta explicação para um assunto, com intenções de ser testada.

Teoria: explicação plausível ou cientificamente aceitável a respeito de um assunto, feita de uma ou mais hipóteses que fornecem explicações detalhadas, porém, sempre sujeita a ser modificada ou substituída por uma teoria melhor de acordo com novas descobertas.

Lei: hipótese, geralmente simples, que descreve um fenômeno do universo sem se preocupar com o porque de isso acontecer, sempre sujeita a ser modificada ou substituída por uma lei melhor de acordo com novas descobertas.

Postulado: hipótese aceita sem provas, pois é impossível com a tecnologia atual.

 

 

Zooniverse

O Zooniverse permite que todos ajudem em pesquisas de ponta em vários campos da ciência, por exemplo, classificação de galáxias e a transcrição de manuscritos. O site até nos ajudam a testar projetos antes de serem lançados e qualquer um pode construir um projeto. Basta enviar seus dados e escolher as tarefas que deseja que os voluntários façam. O Zooniverse cria oportunidades para você  contribuir com descobertas reais, resultando em  publicações e a nossa compreensão do mundo, nossa história e nosso universo. Uma quantidade significativa dessa pesquisa onde os voluntários podem trabalhar entre si e com as equipes de pesquisa.

O principal desafio da pesquisa do século XXI é lidar com a inundação de informações que agora podemos coletar sobre o mundo que nos rodeia. Com a ajuda dos voluntários, os pesquisadores podem analisar as informações com mais rapidez e precisão, economizando tempo e recursos.

Link: https://www.zooniverse.org